Comunicação para resistência popular é tema da 4ª aula da formação de multiplicadores

Participantes e formadores na aula sincrônica sobre o papel da comunicação

Por Marcos Vinicius dos Santos* | Jubileu Sul Brasil

Se estivesse vivo Paulo Freire completaria cem anos em 2021. Por meio de sua obra na Formação de Multiplicadores – Direitos Humanos e Comunicação, realizado pelo Jubileu Sul/Américas e Jubileu Sul/Brasil em 1º de julho, que as facilitadoras do quarto encontro buscaram desenvolver a ideia de que a comunicação pode ser manipuladora, mas também é um instrumento de resistência.

Antes de tudo, a comunicação é um ato humano, que humaniza um ser que cria uma fase de racionalidade, que é o pensamento e a linguagem. Os saberes populares, as múltiplas conexões, formadas através de gerações e gerações, são construídas pela comunicação entre os pares e base de toda a ciência moderna.

Para propor o debate sobre o tema, participaram Roberta Traspadini, educadora popular, professora da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), e a jornalista Luciana Araújo, militante do Movimento Negro Unificado (MNU) e da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo.

Ao mesmo tempo, os meios de comunicação na sociedade capitalista que vivemos excluem saberes populares, colocando-os como secundários ou inválidos. Um processo de silenciamento e apropriação das minorias, parte da busca desenfreada por poder sobre os outros seres sustentando uma dominação violenta, como colocou Traspadini.

“A comunicação é como uma expressão histórica e social de nossa própria história como humanidade e, nesse sentido, seja ela violenta, ou coletiva e não violenta, não a comunicação falada apenas, mas as diversas expressões do se comunicar, a comunicação dos olhos, do corpo, do sentido. A comunicação do silêncio, porque a gente comunica muito no silêncio e no silenciamento mais ainda, porque uma sociedade na qual um grupo silencia o outro define a violência como construção social”, definiu a educadora popular.

Ao se dominar as comunicações, se hierarquiza a sociedade à luz do seu próprio poder e isso é violento, pois através dessas construções sociais são definidos estereótipos, ou quem pode e quem não pode ter o direito à palavra, à alimentação, o direito ao corpo, ao prazer ou à beleza.

Comunicar e resistir

Como dizia Paulo Freire, comunicar pode ser manipular, mas ao mesmo tempo pode ser resistir, e aquele que resiste deve aprender as técnicas da manipulação porque a sociedade hegemônica exige e deve manter a história de superação, destacou Traspadini:

“Vejam que é duplo o sentido de comunicar sendo classe trabalhadora, classe indígena, classe negra, classe mulher. É duplo no sentido que é refém dessa ordem dominante, mas é também propagador do histórico dessa dominante. Já trazemos em nós mesmos esse duplo movimento, ser como eles, diria Eduardo Galeano, e ser como nós, para nós, não necessariamente como eles”, pontuou.

Luciana Araújo buscou exemplificar esses processos de silenciamento. O exemplo usado por ela foi a relação entre as mulheres e a tecnologia. É comum a sociedade capitalista classificar profissões dessa categoria como “tecnicamente masculinas”, mesmo tendo as mulheres à frente de diversas criações tecnológica apagadas da história.

“A história da comunicação é a mesma da potência feminina apagada. Como o caso do primeiro algoritmo ter sido criado por uma mulher, que frequentemente é apagada. O primeiro sistema de segurança doméstico foi desenvolvido por uma mulher negra. Precisa-se reintegrar à posse das contribuições no papel da construção dos nossos países e nossas nações”, defendeu a jornalista.

Essa característica de apagamento passa por padrões de atuação das mídias hegemônicas. São alguns deles: a ocultação, que ocorre na definição do que é ou não é o fato jornalístico; quando não é possível ocultar é feita a fragmentação, onde os fatos são expostos de uma forma incompleta e muitas vezes é descontextualizada; Além disso temos a inversão que transforma a linguagem de uma declaração oficial em principal elemento e mais importante do que realmente é, como no caso de corrupção das vacinas ser considerado mais importante que o genocídio em curso; e a indução realizada através do sensacionalismo da imprensa sobre determinados episódios.

“Esse é um exercício que o jornalismo nos impõe todos os dias. Decidir o que é um fato, mas o que é um fato para mim, mulher, negra, militante, de origem pobre, mãe solo, militante, é muito distinto do que é um fato para grandes emissoras, grandes conglomerados de comunicação. A minha vida normalmente não é um fato jornalístico de interesse da comunicação hegemônica”, concluiu.

Esse quarto encontro encerrou as aulas expositivas. A quinta e última aula da formação, em 8 de julho, é uma troca de experiências nas áreas de direitos humanos e comunicação a partir dos territórios, com os relatos de representantes das organizações membro na América Latina e Caribe.

O curso integra o Módulo III da formação de multiplicadores em torno dos temas prioritários da Rede é parte do projeto de fortalecimento do Jubileu Sul Brasil, Jubileu Sul/Américas e suas organizações membro, com cofinanciamento União Europeia.

*Com supervisão de Jucelene Rocha

A seguir

Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Ceará atende solicitação de Reunião Técnica para Comunidade Raízes da Praia

Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Ceará atende solicitação de Reunião Técnica para Comunidade Raízes da Praia