Centro Dandara realiza ato em apoio à vítima de violência sexual

Ação ocorre em frente ao Fórum Criminal de São José dos Campos (SP), onde acontece o julgamento do agressor da jovem Mariana Orbolato.

Cartazes colocados em frente ao Fórum denunciam a relação entre machismo e cultura de violência. Foto: Centro Dandara

Por redação | Jubileu Sul Brasil com informações do Centro Dandara

O Centro Dandara realiza hoje (8), em frente ao Fórum Criminal de São José dos Campos (SP), um ato público representando o apoio de todas as organizações e movimentos sociais integrantes da Rede Jubileu Sul Brasil à jovem Mariana Orbolato e pelo fim da violência contra a mulher.

“Eu passei pelo pior dia da minha vida vendo a morte na minha frente. Mesmo assim não desisti e não perdi a minha fé. Mulheres, não se calem”, afirmou Mariana, em trecho de texto publicado como desabafo nas redes sociais após as agressões sofridas. Na época a publicação gerou milhares de reações. Mariana rompeu um relacionamento e o autor da violência não aceitou o fim da relação.

Os fatos

A agressão aconteceu no início de abril de 2019, quando Mariana tinha 22 anos e foi agredida em frente da casa do autor da violência, na volta de um show. O autor da violência teria comprado o ingresso e oferecido para Mariana, que foi ao evento com outros amigos em comum, pois acreditava que poderia apenas manter uma relação social e de amizade. Neste dia após o show, ele insistiu novamente na relação amorosa, Mariana disse não, e sem aceitar a resposta negativa ele a violentou.

Cartazes na calçada do Fórum Criminal pedem o fim da violência contra as mulheres. Foto: Centro Dandara

O autor responde ao processo em prisão preventiva pelos crimes de feminicídio qualificado tentado. Nesta quinta-feira (8), o caso vai a júri popular no fórum criminal de São José dos Campos. Ele é acusado de tentativa de feminicídio. Por causa da pandemia, a sessão será fechada, sem a participação de público.

O Centro Dandara de Promotoras Legais Populares atua na defesa dos diretos humanos das mulheres e na multiplicação de saberes. A organização é membro da Rede Jubileu Sul Brasil e integra o Coletivo de Mulheres da Rede.

Orientação e proteção

O Coletivo de Mulheres da Rede Jubileu Sul Brasil lançou em junho de 2021 o “Manual de orientações para educadoras que lidam com situações de violência doméstica”. A publicação traz orientações técnicas sobre o acolhimento e escuta de mulheres vítimas de violência, seja ela física ou patrimonial.

O texto foi construído através de um trabalho conjunto entre todas as mulheres atuantes em territórios diversos. Nele estão contidas informações sobre a Lei Maria da Penha e principais instituições de apoio, além de um passo a passo no suporte a mulheres e meninas vítimas de violência. Foram criados registros para os principais territórios de ação da Rede Jubileu Sul e seu coletivo de mulheres, como Fortaleza (CE), Belo Horizonte (MG), São José dos Campos (SP), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

O manual está disponível para download em PDF logo abaixo. Além disso, 1.000 exemplares impressos estão sendo distribuídos gratuitamente.

As iniciativas da Rede Jubileu Sul a partir do Coletivo de Mulheres integram as ações de Fortalecimento Territorial da Rede e contam com o apoio da União Europeia, Cafod e DKA Áustria*.

* Esta matéria foi produzida com a participação exclusiva da Rede Jubileu Sul Brasil, não podendo, em caso algum, considerar-se que reflete a posição da União Europeia (UE), Cafod e DKA sobre o tema.

A seguir

Declaração da ALBA Articulação de Movimentos Sociais sobre a situação na nação haitiana

Declaração da ALBA Articulação de Movimentos Sociais sobre a situação na nação haitiana