NOSSA PERSPECTIVA SOBRE DÍVIDA

A dívida externa dos países do Sul é ilegítima e imoral. Foi paga com aumento várias vezes. De fato, um exame cuidadoso das origens, desenvolvimento, efeitos e consequências desta dívida não pode nos levar a nenhuma conclusão diferente. Por isso, rechaçamos o saque contínuo do Sul perpetrado por meio do serviço de uma suposta dívida que se deve.

A dívida externa é profundamente ilegítima, injusta e insustentável ética, jurídica e politicamente. Foi construída sem nenhum tipo de consulta à sociedade e dora dos marcos legais vigentes, favorecendo só as elites e prejudicando a maioria da população.

Os povos e os países do Sul são, na verdade, credores de uma enorme dívida histórica, social e ecológica. Esta dívida tem que ser paga e reparada para que seja possível um “novo começo”. No espírito do Jubileu, exigimos a restituição do que nos foi tirado injustamente e a reparação do dano perpetrado.

Denunciamos energicamente a concentração crescente de riqueza, poder e recursos na economia mundial como causa essencial do aumento da violência, pobreza e do ‘endividamento’ do Sul. Não se pode eliminar a pobreza extrema sem que se elimine a riqueza extrema. Portanto, exigimos a erradicação da riqueza extrema e do sistema vicioso que gera tais desigualdades. Nesse contexto, rechaçamos a cobrança e o pagamento perpétuo da dívida externa por ser uma questão de vida ou morte para as milhões de pessoas que são exploradas e excluídas em nossas sociedades.

A acumulação da dívida externa nos países do Sul é produto da crise desse mesmo sistema e é utilizada para perpetuar o saque e dominação de nossas nações, muitas vezes coma aquiescência e colaboração ativa de nossas elites locais.

O sistema econômico global neoliberal é destrutivo e genocida em seu funcionamento e feitos. As mulheres sofrem desproporcionadamente suas consequências, assim como as crianças, os idoso e o ambiente. Uma solução duradoura para o ‘problema da dívida’ não pode ser encontrada pelas mesmas instituições e sistema responsáveis por sua criação. Esse sistema deve ser mudado e pode ser mudado.

No processo de enfrentar o ‘problema da dívida’ e mudar o sistema econômico global neoliberal, devemos continuar desenvolvendo uma compreensão cada vez maior dos vínculos entre a dívida e outras problemáticas conexas, tais como o comércio, as finanças, o investimento, os padrões de consumo, a segurança/soberania alimentar, a depredação ambiental e diversas formas de intervenção e repressão militar, antidemocrática e neocolonialista.

Muitos grupos e movimentos da classe trabalhadora e de povos empobrecidos e excluídos, assim como organizações, instituições e formações políticas, tanto no Sul como no Norte, estão comprometidos de diferentes maneiras na luta para confrontar  e transformar este sistema de dominação e devemos nos unir a eles. Como Jubileu Sul somaremos nossas vozes e apoio para fortalecer e formar alianças e coalizões enraizadas nas lutas históricas contra toda forma de opressão, no marco e tradição das lutas anti-imperialistas.

A resistência à dominação sustentada em função da dívida nos une como organizações e movimentos sociais em todo o Sul e nos mune de uma oportunidade histórica para no organizar como parte de um movimento mais amplo. Como Jubileu Sul, nascemos e estamos enraizados na África, Ásia e Pacífico, América Latina e Caribe, mas nos estendemos a todos os que fazem parte deste Sul histórico, político e ético, com a convicção de que NÃO DEVEMOS, NÃO PAGAMOS! Os povos do Sul são os verdadeiro credores!

Notícias sobre a dívida

Com manifestações da ONU e OEA contra marco temporal, povos indígenas ganham reforços internacionais de peso

Comentários desativados em Com manifestações da ONU e OEA contra marco temporal, povos indígenas ganham reforços internacionais de peso

Com seis mil pessoas em Brasília, povos indígenas realizam maior mobilização pós Constituinte

Comentários desativados em Com seis mil pessoas em Brasília, povos indígenas realizam maior mobilização pós Constituinte

7 questões para entender a dívida pública e somar-se à campanha “A vida acima da dívida”

Comentários desativados em 7 questões para entender a dívida pública e somar-se à campanha “A vida acima da dívida”