“Por direitos e democracia, a luta é todo dia” é o lema do 23º Grito dos/as Excluídos/as

Por Rogéria Araujo | Comunicação Jubileu Sul Brasil

Defesa dos direitos, democracia, povo, luta cotidiana. Foi permeando estas palavras que a coordenação nacional do Grito dos/as Excluídos/as Brasil, reunida no último dia 10 de fevereiro, em São Paulo, chegou ao lema da 23º edição: “Por direitos e democracia, a luta é todo dia”. Com o tema “Vida em primeiro lugar”, a maior articulação popular do Brasil deverá levar milhares às ruas durante a Semana da Pátria.

Colaboradores de todo o Brasil enviaram sugestões para o lema. De acordo com Karina Pereira, da coordenação nacional do Grito, o lema não poderia deixar de levar em consideração toda a conjuntura política e social em que se encontra o país. “A coordenação levou em conta todo o contexto, a conjuntura em que estamos vivendo, e todas as discussões apontaram para este lema, da importância de lutar pelos direitos básicos, de manter nossa democracia e da luta que fazemos todos os dias”, disse.

Karina acrescentou que tema e lema da Campanha da Fraternidade 2017 também contribuiram para a escolha do lema do Grito. “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida’ e o lema ‘Cultivar e guardar a criação” são os tema e lema da CF 2017. “Acreditamos que estamos afinados nesse diálogo também”, completou.

Depois da escolha do lema, tem início uma série de articulações e mobilizações nos municípios. O 19º Encontro de Articuladores do Grito está marcada para os dias 19, 20 e 21 de maio em São Paulo. Também começarão a confecção da arte do cartaz, camisas e demais materiais que já fazem parte do processo, com o hino, eixos temáticos, chamadas de rádio, vídeos, etc.

Para Rosilene Wansetto, secretária da rede Jubileu Sul Brasil, que integra a coordenação nacional da articulação, o chamado do Grito deste ano é um chamado para defender os direitos sociais ameaçados por este governo, ilegítimo e golpista, que está promovendo um verdadeiro desmonte de todas as conquistas históricas do povo brasileiro, conquistas em diversas áreas, previdência, trabalho, assistência, educação. “Quando nossos direitos estão sendo atacados devemos nos perguntar quem ganha com essas reformas. O Grito deseja convocar a todos e todas a lutarem, defender os direitos e ao mesmo tempo a democracia, também ameaçada por esta forma de governar que privilegia as elites”, afirmou.

De outra parte, continua Wansetto, o lema nos convoca a defender nossa soberania e retomar o debate sobre o projeto para o Brasil, “um projeto que privilegie os pobres, as classes menos favorecidas”

O Grito dos/as Excluídos/as

O Grito, mais do que uma articulação, é um processo que tem com ponto máximo a Semana da Pátria, mais especificamente o Dia 7 de Setembro – Dia da Independência do Brasil. A proposta não só questiona os padrões de independência do povo brasileiro, mas ajuda na reflexão para um Brasil que se quer cada vez melhor e mais justo para todos os cidadãos e cidadãs. Assim, é um espaço aberto para denúncias sobre as mais variadas formas de exclusão.

Mais informações: (11) 2272.0627 – Secretaria Nacional Grito dos/as Excluídos/as
Rogéria Araújo: (85) 99619.2566 – WhatsApp – Rede Jubileu Sul Brasil
Facebook: grito.dosexcluidos

  1. Este é o caminho. Que Deus continue nos iluminando na Defesa dos menos favorecidos. É a nossa Igreja presente na conscientização do seu povo.

Fechado para comentários.

A seguir

Vídeo – Contra o Entreguismo: Sandra Quintela (PACS) fala porque defender a Base de Alcântara

Vídeo – Contra o Entreguismo: Sandra Quintela (PACS) fala porque defender a Base de Alcântara